Mais um a meu favor #226: família amarela, sob medida e equilibrar um prato
RPNV 2016 #10: quem foi ou não eleito?
AMQCM #54: Hardwired… To Self Destruct (2016), por Metallica | Álbuns
NNL Indica #3: dicas para acompanhar tudo sobre Chespirito e Dragon Ball Super no Brasil
Eventos massa™ #2: Brasil Game Show 2016 | NNL em eventos
O pior porre da minha vida | Casos Pessoais
Janela de dicas #25: como remover o Warsaw completamente do seu Windows | Macetes
Nos Fragmentos do HD #15: os 10 anos do AE KASINÃO
Avulsos #4: Tanglewood para Sega Genesis / Mega Drive | NNL Games
Crunchyroll: saiba como ter acesso Premium+ por 48 horas

Eventos massa™ #2: Brasil Game Show 2016 | NNL em eventos

#691

Sim, ela voltou, só que em novo endereço. A Brasil Game Show 2016 trocou o Expo Center Norte pelo remodelado São Paulo Expo (antigo Expo Imigrantes). Com muito mais espaço útil, o evento ocorreu de forma grandiosa, com o dobro de stands em relação a BGS 2015. A seguir, confira a experiência de ter estado no maior evento de games da América Latina, realizado entre 1 e 5 de setembro.

Ao contrário da edição passada, onde a BGS foi realizada na Zona Norte e bem longe de onde moro, neste ano o evento ocorreu na Zona Sul, nas proximidades do Aeroporto de Congonhas, e a apenas 5 km de distância de mim. Este fato fez a chegada ao evento ser bem tranquila, pois meu acesso se deu pela entrada secundária do São Paulo, longe da muvuca formada pelos visitantes na entrada principal.

Ao entrar no evento, me deparei com aquela mar de gente, digno de um Dia 3 (03/09, sábado). Logo de cara, vemos o stand da NVIDIA e a área para cosplayers (Cosplay Zone Kinoplex). Falando nisso, havia uma incontável quantidade de cosplays – mais bem produzidos ou não – de Arlequina, do recém-lançado filme Esquadrão Suicida, da DC.

Tivemos a presença dos oldgames: as máquinas de arcade estavam lá para marcar presença, mostrando a sensação de gastar milhares de fichas em jogos, alguns extremamente difíceis e caminhos de alegria para os donos de casas especializadas. A área útil para a exposição de console antigos de Marcelo Tavares – criador da BGS – estava menor em relação a edição de 2015, porém trazendo pérola como um minigame do Sonic 3D Blast, Atari 7800, entre outros. Em resposta a minha indagação, Marcelo garantiu uma área maior, com mais consoles de sua vasta coleção, na edição de 2017. Resta aguardar para ter acesso a estas relíquias.

Por ser um usuário ativo e um consumidor de conteúdo produzido por determinados canais do YouTube, principalmente old gamer, fui conferir a presença de alguns dos ditos YouTubers. No stand da AACD, estava acontecendo uma live com pessoas com Fiaspo e Rik Editor, onde estes faziam jogatinas enquanto os visitantes compravam objetos personalizados em troca de doações para a instituição de caridade. No stand da revista Warp Zone – com publicações ao estilo de revistas gamers de antigamente – se encontravam Sr. Wilson (ColôniaContraAtaca), Core (CoreDasAntigas) e Gusang (AssopraFitas), dando autógrafos e conversando com os fãs. Não tive a coragem suficientes para ser um deles, porém pude vê-los in the flesh, ao vivo.

Ainda sobre YouTube, este ano eles estavam de novo com o stand do YouTube Gaming, com participação de alguns dos principais canais do gênero, e mostra de vídeos destes. O mais impressionante da área foi a grandiosidade do local reservado e a prática de tirolesa.

A área destinada para o Twitch.tv – maior plataforma para live streams de jogatinas e concorrente direta do YouTube Gaming – contavam também com os principais nomes da plataforma. A área destinada não era tão grandiosa, porém havia uma programação com todas as transmissões realizadas durante os Dias 2, 3 e 4.

Lojas de departamento e especializadas não ficaram de fora. Além da loja oficial da BGS, com artigos personalizados, e suas semelhantes (action figures, chaveiros, etc.), houve a participação da Saraiva com seu stand espaçoso, com vendas de consoles, jogos, acessórios e periféricos para PC, e jogos disponibilizados para os jogadores. Submarino tinha um stand semelhante, mas focado apenas nos jogos, sem vendas de produtos. Já a Lojas Americanas foi a loja para a compra dos produtos comumente disponibilizados por esta em sua rede.

Emissoras de TV marcaram presença. O Esporte Interativo foi o responsável pelas transmissões da Brasil Game Cup, do torneio de Counter-Strike: Global Offensive. A Globo foi parceira do Brasil Game Jam, que se assemelha aos hackathons, para participantes criarem e programarem jogos, para saber qual será o melhor saído desta maratona. Além disso, a maior emissora de TV Aberta do Brasil trouxe um stand para promover a série SuperMax, com um confinamento bem ao estilo Big Brother Brasil.

A área indie mostrou-se forte novamente na BGS. Alguns dos jogos mostrando na edição 2015 estiveram de volta, além de novas propostas. Super Button Soccer (jogo de futebol de botão), MegaCityCoper (jogo de corrida com helicópteros) e Trajes Fatais (jogo com inspirações em jogos de luta dos anos 90), Pipa Combate são alguns dos destaques da cena independente brasileira.

Grandes empresa do mundo dos games estavam lá para lançamentos e fan service. Ubisoft com o novo Just Dance 2017 – com a música Bang, de Anitta -, com concurso de dança; Tom Clancy’s: Ghost Recon, Watch Dogs 2 e South Park: Fractured But Whole também foram demonstrados. Sony, com lançamentos de No Man’s Sky, Uncharted 4, Batman Arkham VR – com demonstração do PlayStation VR -, campeonato de PES 2017, e PlayStation Gear – loja de artigos oficiais. Microsoft, com lançamentos de Minecraft: Story Mode, Forza Horizon 3, Recore, Gears of War 4, também não fez feito. Warner, com FIFA 2017, Street Fighter V, Lego Worlds, Resident Evil 7: Biohazard, além da exposição especial de 20 anos da franquia da Capcom. Outros lançamentos e presenças: Overwatch, Mafia III, Gwent – jogo de cartas de The Witcher 3, entre outros.

Mais uma vez, destaque para a praça de alimentação. Mesmo com seus preços inflados, havia uma boa variedade, aproveitando-se da área útil reservada: de Bob’s, Vivenda do Camarão e Casa do Pão de Queijo a restaurantes de food truck. Quem esteve na BGS, deveria estar preparado para meter a mão no bolso caso quisesse se alimentar no local, como foi meu caso.

Em cinco horas de presença na BGS, consegui ter uma boa experiência. Joguei os mais recentes jogos dos eternos rivais no mundo dos jogos de futebol, porém gostaria de ter testado o PlayStation VR, além de ter acesso ao Resident Evil 7. Um evento destes é marcante para quem teve acesso a qualquer jogo, principalmente àqueles da época de ouro. A história da mais rentável e cara indústria precisa continuar a ser contada.

Abaixo, confira os registros audiovisuais feitos pelo NNL da BGS 2016.







Post scriptum: a Brasil Game Show vai voltar ao Rio de Janeiro em 2017, depois de ter trocado a cidade maravilhosa pela capital paulista em 2012. A Brasil Game Cup Rio 2017 (focada em e-sports) será uma extensão do evento realizado em São Paulo no 3º quadrimestre de cada ano dentro da BGS. Acontecerá entre 7 e 9 de abril no Centro de Convenções Sulamérica. Os ingressos começam a ser vendidos em outubro, com preço inicial de R$ 78 (R$ 39 a meia-entrada).

Por: Not Now Lucas

The following two tabs change content below.

notnowlucas

São Paulo - SP
Formado em Informática e antenado no universo da tecnologia, gosto de escrever sobre tudo que me convier. Possuo um Nokia Lumia 730 e não gosto que caçoem de mim.