[Séries] Sonic Mania #9 (Sonic & Tails): Um oceano poluído | NNL Games
RPNV 2016 #10: quem foi ou não eleito?
AMQCM #54: Hardwired… To Self Destruct (2016), por Metallica | Álbuns
NNL Indica #3: dicas para acompanhar tudo sobre Chespirito e Dragon Ball Super no Brasil
Eventos massa™ #2: Brasil Game Show 2016 | NNL em eventos
O pior porre da minha vida | Casos Pessoais
Janela de dicas #25: como remover o Warsaw completamente do seu Windows | Macetes
Nos Fragmentos do HD #15: os 10 anos do AE KASINÃO
Avulsos #4: Tanglewood para Sega Genesis / Mega Drive | NNL Games
Crunchyroll: saiba como ter acesso Premium+ por 48 horas

Janela de dicas #18: como se esquivar do paywall usando o nao.usem.xyz | Macetes

#664

O acesso à informação ficou muito mais fácil e mais democrático com o advento da internet. Hoje, notícias vistas em telejornais e lidas em jornais e revistas impressos não são o únicos modos de se informar sobre os acontecimentos ao nosso redor. Ou seja, o monopólio / oligopólio dos fatos está, pelo menos, diminuído.

Alguns grandes grupos jornalísticos / midiáticos, surfando na onda, começaram a cobrar assinaturas para a leitura online, utilizando-se do sistema paywall. Basicamente, é um sistema de cobrança que busca manter antigos assinantes e atrair novos, que pode ser aplicado de forma “soft” (com limite de leitura de artigos online por mês) e o “hard” (sem ‘almoço grátis’), sob a alegação de se manter a qualidade jornalística. O The Wall Street Journal foi o primeiro a aderir ao paywall, no modo “hard”, em 2007, mas isto foi benéfico ao periódico, pois manteve sua popularidade. Outros jornais dos EUA e do Reino Unido, por exemplo, aderiram à vertente, como The New York Times, Financial Times, The Times e The Independent. Alguns vão na contramão, como o britânico The Guardian, que resiste e tem “crença em uma internet aberta”, e utiliza um método “plataforma aberta”, gerando valores sem a necessidade de uma cobrança extra ao consumidor.

No Brasil, quem aderiu ao paywall, de forma ‘soft’, foi a Folha de São Paulo. A limitação é de algo em torno de 6 artigos por mês, embora não haja um número fixo. A assinatura da versão digital do periódico é de módicos R$ 1,90 (no primeiro mês), mas isso não deixa de irritar quem não está disposto a pagar o valor e está “mal acostumado” com o acesso livre à notícias pela internet.

Há formas de burlar esta limitação: o ‘nao.usem.xyz’ é uma delas. Ele não apenas encurta o endereço como quebra a limitação de paywall criando uma cópia exata da página – em imagem -, ou seja, mesmo que o artigo seja tirado do ar, este ficará disponível pelo link encurtado, além de impedir a contabilização de tráfego e pagerank da página em questão. A dica de hoje mostra como usar o encurtador para poder ler um artigo bloqueado por paywall.

  1. Acesse a notícia – como a da Folha – com o sistema paywall em ação.
  2. Acesse o site nao.usem.xyz.
    O site nao.usem.xyz.

    O site nao.usem.xyz.

  3. Copie e cole o link original da notícia no campo ‘Endereço’ e clique no botão ‘Prosseguir’.
    O link a ser encurtado.

    O link a ser encurtado.

  4. Digite o CAPTCHA gerado, um título – caso queira – e clique no botão ‘Gerar’ para criar um link encurtado.
    Notícia quase livre do paywall.

    Notícia quase livre do paywall.

  5. Após todo o processo, a notícia poderá ser lida normalmente, sem nenhum aviso de pedido de assinatura via paywall.

Com todo este simples processo, todas os artigos da Folha e de outros sites que se utilizam de paywall ou de outro tipo de limitador podem ser lidos integralmente. Os links usados para o teste estarão disponíveis no fim do deste post, no ‘spoiler’ “Via”.

Se gostou do post, compartilhe este pelas redes sociais. Voltaremos quando alguma nova dica aparecer. Até o próximo Janela de dicas.

Por: Not Now Lucas

The following two tabs change content below.

notnowlucas

São Paulo - SP
Formado em Informática e antenado no universo da tecnologia, gosto de escrever sobre tudo que me convier. Possuo um Nokia Lumia 730 e não gosto que caçoem de mim.