Intolerância, Gigante das Buscas e Steve Dogs | Mais um a meu favor #277
RPNV 2016 #10: quem foi ou não eleito?
AMQCM #54: Hardwired… To Self Destruct (2016), por Metallica | Álbuns
NNL Indica #3: dicas para acompanhar tudo sobre Chespirito e Dragon Ball Super no Brasil
Eventos massa™ #2: Brasil Game Show 2016 | NNL em eventos
O pior porre da minha vida | Casos Pessoais
Janela de dicas #25: como remover o Warsaw completamente do seu Windows | Macetes
Nos Fragmentos do HD #15: os 10 anos do AE KASINÃO
Avulsos #4: Tanglewood para Sega Genesis / Mega Drive | NNL Games
Crunchyroll: saiba como ter acesso Premium+ por 48 horas

Movimento Internet Sem Limites: contra a imposição de franquias na internet fixa

#643
#10 1000 0011 (binário)
#283 (hexadecimal)
#1 203 (octal)
Imagem 1 - limite_di_velocita__by_lopont-d4nzca2

Em fevereiro, fiz um post onde critico abertamente a imposição sem pé nem cabeça da Vivo de estipular franquias mensais, sob pena de redução e até mesmo corte (no caso da fibra ótica). Ela se junta a Oi e NET, que já preveem em contrato a redução de velocidade pós-franquia, embora raramente botem em prática. Por hora, a operadora controlada pela Telefónica no Brasil não imporá este limite “promocionalmente” aos clientes de fibra ótica, fazendo com que a novidade fique apenas para 2017.

O objetivo por trás disso está bem claro. Os maiores provedores de internet também possuem as maiores TVs por assinatura do Brasil. Netflix, dentre os demais serviços de streaming, é o foco deste tipo de medida, pois o serviço de séries / filmes sob demanda seria o grande responsável pela debandada de assinantes de TV a cabo e limitar / reduzir o uso dele seria uma forma de frear seu crescimento.

A situação começou a tomar proporções de indignação nos últimos dias contra a medida. Ainda mais após a entrevista exclusiva com Christian Gebara – Chief Revenue Officer da Telefónica Vivo , concedida ao Lucas Braga no Tecnoblog. Dentre outros assuntos abordados – como a fusão com a GVT e o fim da marca no Brasil -, Gebara afirmou que o uso de franquias é “uma tendência mundial. Grandes operadoras no mundo, inclusive do Grupo Telefônica, já estão acabando com o tráfego ilimitado e adotando franquias.”. A ideia é cobrar como se fosse uma conta de luz, ou seja, quem usa mais, paga mais.

Quando perguntado se a imposição de franquias iria afetar muitos usuários, Gebara disse que elas afetariam diretamente apenas usuários de serviços de streaming. Lucas Braga, então, mostrou os dados de levantados pelo site Manual do Usuário, onde é constatado um uso de 150 GB de um usuário comum em um link de 5 Mbps. O entrevistado deu de ombros, porém preferiu não responder quanto a outros dados relevantes: jogos dos serviços Xbox Live e PlayStation Network podem facilmente ultrapassar a marca de 50 GB, que facilmente consumiria boa parte de qualquer franquia oferecida pela Vivo, por exemplo.

No fim da entrevista, Lucas perguntou se a medida de franquear a banda larga fixa não estaria ferindo o Marco Civil da Internet. Neste momento, a conversa é interrompida pelo assessor por “fugir do escopo inicial da entrevista”, sob a promessa de uma futura entrevista para debater sobre a franquia de internet doméstica.

Infelizmente, a ideia de usar o mesmo método usando para a internet móvel vai servir também para a banda larga fixa. A Anatel prometeu estudar o caso, embora já afirmado que este tipo de prática será benéfica para o usuário.

Diante de tantos contras nesta história toda, temos vários prós que podem mudar a situação. Um deles é mais um abaixo-assinado (na Avaaz), que já conta com mais de 450 mil assinaturas. Outro pró a ser citado é o Movimento Internet Sem Limites, criando com o intuito de mobilizar o máximo de pessoas contra este absurdo, com postagens explicando como hábitos mais simples podem impactar na velocidade no fim do mês, caso o teto da franquia seja atingido.

Abaixo-assinado de Gabriela. Link: Abaixo-assinado via Avaaz.

Abaixo-assinado de Gabriela.
Link: Abaixo-assinado via Avaaz.

Youtubers importantes começam a tomar partido e vociferar contra a limitação, pois a produção e consumo de conteúdo do YouTube, tal qual o já citado caso do Netflix, demanda muitos MB. Izzy Nobre, um dos mais conhecidos canais entre os brasileiros, produziu um vídeo sobre o assunto, criticando a medida adotada pelas operadoras e oferecendo alternativas além de ficar apenas nos xingamentos – merecidos, aliás. Uma delas é mostrar a insatisfação gerada entrando em contato com as operadoras que pretendem implantar franquias. Dê uma olhada.


Não podemos ficar calados enquanto presenciamos este tipo de arbitrariedade ser cometida em frente aos nossos olhos. Informe-se e sabia mais como tentar barrar as franquias na banda larga fixa clicando nos links disponibilizados em “Via”, logo abaixo.

Por: Not Now Lucas

The following two tabs change content below.

notnowlucas

São Paulo - SP
Formado em Informática e antenado no universo da tecnologia, gosto de escrever sobre tudo que me convier. Possuo um Nokia Lumia 730 e não gosto que caçoem de mim.