[Séries] Sonic CD (Extra) #2 : Pulando errado pelo tempo | NNL Games
RPNV 2016 #10: quem foi ou não eleito?
AMQCM #54: Hardwired… To Self Destruct (2016), por Metallica | Álbuns
NNL Indica #3: dicas para acompanhar tudo sobre Chespirito e Dragon Ball Super no Brasil
Eventos massa™ #2: Brasil Game Show 2016 | NNL em eventos
O pior porre da minha vida | Casos Pessoais
Janela de dicas #25: como remover o Warsaw completamente do seu Windows | Macetes
Nos Fragmentos do HD #15: os 10 anos do AE KASINÃO
Avulsos #4: Tanglewood para Sega Genesis / Mega Drive | NNL Games
Crunchyroll: saiba como ter acesso Premium+ por 48 horas

TIM Beta, uma longa fase alpha e primeiros testes | Casos Pessoais

#521
Imagem de destaque (vide visualização via página principal): TIM Portas Abertas.

A telefonia móvel, assim como muito serviços no Brasil, tem qualidade muito duvidosa, no mínimo. Planos Pós ainda fora de alcance e planos Pré bons e baratos SQN. Porém existe um plano dependente exclusivamente de créditos pré-pagos um tanto quanto ambicioso e revolucionário: o TIM Beta. Lançado em fase experimental em 2010 e consagrado em 2011, a iniciativa da TIM traz algo voltado para os jovens com uma comunidade restrita porém concorrida. A seguir, descrevo o problema pelo qual passei e as impressões sobre o plano em si.

Uma longa fase alpha


WP_20140822

Foi uma “longa” espera, até finalmente obter o tão falado chip com TIM Beta. O dia 22/08 foi o fatídico dia do recebido escolhido via Correios. Mas, para minha surpresa – negativa, adianto -, o SIM não veio com a adaptação necessária. Explico: existem chips vendidos e distribuídos nos tamanhos tradicionais e com a adaptação para MicroSIM (pois os smartphones costumam vir com este tipo de padrão, quando não o NanoSIM), tal qual a tentativa da Oi de criar sua “comunidade Beta” com o Oi Galera, que já vem com o chip adaptado. Então, na ânsia de testar o plano da TIM, fiz uma adaptação porca e sem sucesso, como era de presumir.

Sabido o direito de fazer a troca, fui até uma loja TIM credenciada (não própria) no dia seguinte – 23/08. Explicado o motivo da troca ao atendente, este me informou da necessidade de um voucher a ser gerado pelo site do plano, com a promessa da efetivação do pedido poder ser feita por ali mesmo. Parecia ser um passo fácil e a poucos cliques. Mas me deparei com um dos problemas do serviço: um erro de cadastro que impedia a vinculação do número ao ID de Cadastro. Inicia-se a epopeia.

Depois de duas ligações e explicações pouco convincentes, abri uma reclamação na Anatel no dia 30/08 para obter a resolução do tal erro. Depois de cinco dias corridos, no dia 04/09, recebi a primeira comunicação da TIM para chegar a um denominador comum. Foi dado um prazo de 48 horas para um novo contato com o problema resolvido ou algum parecer sobre a situação. A tal ligação não ocorreu. Continua a epopeia.

No dia 08/09, reabri a reclamação, sendo esta simplesmente ignorada, com o possível pretexto de não ter atendido uma esporádica e única ligação. Então, depois de reabrir de novo a mesma solicitação junto à Anatel no dia 14/09, obtive um contato com a TIM (19/09) com a promessa da resolução do problema, contados 15 dias à partir de 09/09. Para minha surpresa – desta vez positiva – consegui gerar o voucher (válido por 5 dias) no dia 24/09. O passo mais complicado, por incrível que pareça, havia sido concluído.

WP_20140924_19_19_15_Pro

Após conseguir abrir um espaço na agenda, fui em busca do chip perdido no dia 27/09. Tudo fadado a dar errado: atraso do ônibus, no trânsito até chegar na loja já visitada para saber da impossibilidade desta ter acesso ao sistema do TIM Beta – embora já informado do contrário. Já em um horário tardio, dirigi-me a loja própria para dar de cara com a queda do sistema. No dia seguinte, 28/09, a epopeia teimosa se encerrou com a troca mais atrasada que o Rubinho*.

*O moribundo Orkut – enterrado em 30/09/2014 – perdeu um processo no dia anterior, pedido pelo Rubinho em 2006, referente às comunidades e piadas “pejorativas”. O NNL não pretende receber um processo deste ilustre ídolo do automobilismo, caso este leia este post em 2022.

Testes, impressões e considerações finais


WP_20140928_19_20_17_Pro

Depois deste “pequeno grande problema” ah se eu tivesse escolhido receber o chip diretamente pela loja, pude ter o primeiro contato com o TIM Beta. Com preços extremamente atrativos (e prestes a sofrerem um pequeno reajuste) e com limite nominal descrito como “10 MB/dia a 500 kbps máximos e 50 kbps após excedido o limite”.

Nos primeiro dias, o uso foi o mesmo do que pratico no plano Vivo Tudo (R$ 6.90/semana com ligações, SMS e 75 MB de franquia): usar o Foursquare para fazer check-ins, ler emails e acompanhar as notícias relacionadas ao mundo Nokia/Microsoft pelos apps dos blogs referentes. Ou seja, sempre regulando o uso ao máximo.

Já à partir do terceiro dia, fiquei mais “solto” e com permissão de “chutar o balde”. Tive um uso mais hardcore, assistindo a vídeos do YouTube, acessando alguns sites em versão desktop (com maior demanda de tethering) e acessando com mais frequência o Instagram, Facebook e Twitter. Além disso, fiz alguns downloads de apps pela Windows Phone Store com velocidade satisfatória ao meu uso, confirmada com os testes com resultados em torno de 1 Mbps feitos pelo Speedtest.

wp_ss_20140930_0001

Em termos de qualidade de sinal, possui qualidade superior a da Oi – que sempre tinha pontos “EDGE” – e semelhante a da Vivo. O sinal da rede da TIM se mantém num patamar relativamente bom, mas possui seus pontos falhos, pois a falta de 3G e, no caso, o uso obrigatório do 2G, vai te deixar na mão.

Com estes primeiros testes, vejo o quanto o TIM Beta é bem falado, principalmente entre sua comunidade. Por isso ser amigo de um Beta Lab (quem consegue a pontuação de 4000 dentro do ciclo de três meses por intermédio do Blablablâmetro, seja pelo uso do TIM Beta em si, seja pelas redes sociais Facebook, Twitter, Instagram e Foursquare/Swarm e, ainda por cima, ganha mais descontos no uso do plano) para garantir seu chip é algo tão almejado, digamos assim. É a alternativa mais viável a um plano pós-pago, embora este uso “exagerado” de tethering possa significar algum tipo de limitação futura.

Mas há uma ressalva: também percebi a existência de problemas cadastrais recorrentes. Estes, a longo prazo, podem resultar na dor de cabeça que tive. O suporte, neste sentido, precisa de melhorias urgentes para evitar estas aberrações.

A resposta para possível pergunta é: sim, estou muito satisfeito. Só não precisava começar essa relação de amor e ódio entre cliente e operadora com a parte do “ódio” e fortalecer este bendito estereótipo das telecomunicações no Brasil.

Por: Not Now Lucas

The following two tabs change content below.

notnowlucas

São Paulo - SP
Formado em Informática e antenado no universo da tecnologia, gosto de escrever sobre tudo que me convier. Possuo um Nokia Lumia 730 e não gosto que caçoem de mim.