Pedágios, ARTESP e eixos

#449
#111000001 (binário)
#1C1 (hexadecimal)
#701 (octal)

As manifestações que mobilizaram o país no mês passado obteram resultados, com diminuição de preço das passagens no transporte público e até mesmo passe livre em algumas cidades do Brasil. Mas sempre há um ônus sobre tudo, e não perdem a oportunidade de jogar para o lado mais fraco.

Para compensar o não reajuste previsto para os pedágios em São Paulo por um ano, o governo paulista resolveu cobrar pelos eixos suspensos de caminhões. Na prática, aqueles que tinham eixos recolhidos geralmente por estarem vazios não pagavam por estes, mas segundo a ARTESP (Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo), este aumento – ou melhor, “realocação de cobrança” – se deve também ao fato de muitos caminhoneiros burlarem o pedágio mesmo não vazios e isto acarreta desgaste no asfalto e risco de acidentes. Como consequência, o preço do frete e deverá aumentar também.

Além de limitações de rodízio, desrespeito e falta de consideração, o caminhão é tido como basicamente o grande culpado por todo e qualquer problema ocorrido no Brasil. Logo aquele que ajuda no escoamento e é fundamental para o funcionamento da economia, para aquela entrega daquele produto comprado, para aquela tão sonhada mudança, etc. Esse é o despeito pela grande contribuição que este humilde veículo – o mais experiente ou o top da nova geração. Essa é a ingratidão fétida de quem deveria zelar melhor pelo seu país.

Por: Not Now Lucas

The following two tabs change content below.

notnowlucas

São Paulo - SP
Formado em Informática e antenado no universo da tecnologia, gosto de escrever sobre tudo que me convier. Possuo um Nokia Lumia 730 e não gosto que caçoem de mim.