O achievement mais desafiador de Sonic 3 AIR | Avulsos #60
RPNV 2016 #10: quem foi ou não eleito?
AMQCM #54: Hardwired… To Self Destruct (2016), por Metallica | Álbuns
NNL Indica #3: dicas para acompanhar tudo sobre Chespirito e Dragon Ball Super no Brasil
Eventos massa™ #2: Brasil Game Show 2016 | NNL em eventos
O pior porre da minha vida | Casos Pessoais
Janela de dicas #25: como remover o Warsaw completamente do seu Windows | Macetes
Nos Fragmentos do HD #15: os 10 anos do AE KASINÃO
Avulsos #4: Tanglewood para Sega Genesis / Mega Drive | NNL Games
Crunchyroll: saiba como ter acesso Premium+ por 48 horas

Birra, conjunto e filho da puta | Casos Pessoais

#445
#110111101 (binário)
#1BD (hexadecimal)
#675

Neste mundo louco, maluco e individualista, mesmo trabalhando em grupo, é melhor garantir o seu trabalho e não depender demais de uma pessoa. Já passei por esta de confiar demais em alguém teoricamente merecedor desta confiança, ou até mesmo de esperar algo de alguém que definitivamente não ajudará, seja por incapacidade ou por birra.

Quando entro em um lugar desconhecido (para estudar ou trabalhar), não faço muita questão de fazer parte do grupo popular. Tento pelo menos ter uma relação minimamente boa com os colegas e, se possível, fazer amizade e se aproximar de poucas pessoas que devem proporcionar um bom companheirismo. Por isso busco não ver maldade ou defeitos nas pessoas, porém não sou tolo a ponto de não perceber quando algo não está certo.

A melhor forma de realmente conhecer o caráter e a verdadeira face de uma pessoa é trabalhar (ou tentar) em grupo. É verdade que, para um trabalho em conjunto se sair bem, o conjunto em si é fundamental, mas cada um deve fazer a sua parte, mesmo que não goste de um colega de trabalho ou até mesmo quando uma ideia é recusada.

Aqui está a origem do problema: a ideia não é aceita, a pessoa fica de birra, briga com um colega por coisa boba e faz promessas de contribuição sem embasamento. Neste caso, o grupo tem culpa em um todo – me incluo nisso – (não resumido em apenas um problema), pois acobertar algo errado pensando estar protegendo o grupo não dá certo.

Chegamos ao cúmulo da cara-de-pau: o grupo espera pelo pior, o meliante chega – aquele que leva com a barriga o projeto – que não surpreende, mas não deixa de decepcionar. Sua risada sádica traduz o fracasso grupal – embora menor que a encomenda.

Ocorre algo que preferiria evitar: uma pessoa entrar na minha lista negra. A arrebatadora constatação da punhalada nas costas mostra parte da dura convivência humana e da filosofia caseira: em todo lugar sempre tem um filho da puta.

Por: Not Now Lucas

The following two tabs change content below.

notnowlucas

São Paulo - SP
Formado em Informática e antenado no universo da tecnologia, gosto de escrever sobre tudo que me convier. Possuo um Nokia Lumia 730 e não gosto que caçoem de mim.