Elites, Metrô e "gente diferenciada"

O separatismo que as elites sempre pregaram serve para manter seus inúmeros privilégios, em detrimento aos que não tem, às vezes, nada ou quase nada. Isso ainda tem grande poder no Brasil.

Veja o link:

http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2011/05/moradores-da-zona-norte-de-sp-estranham-bairro-que-nao-quer-metro.html

A história é que um grupo de moradores em 3500 pessoas assinaram um abaixo-assinado para que a estação Angélica não fosse construída na Avenida Angélica, sob alegação de que a futura estação da Linha 6 – Laranja ficaria muito próxima de outras duas da mesma linha, além de outras como desapropriar comércios importantes ou do aumento da violência

Na verdade, o que eles querem mesmo é que  o “populacho”, ou “gente diferenciada” não vá em maior número para esta região de Higienópolis (bairro judeu). Já que não precisam usar transporte público e ainda contribuem para o trânsito e o ar ficarem ainda piores, querem mais é que esta gente se dê mal.

O Metrô mudou a estação para as proximidades do Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho, o Pacaembu. E esta mudança não foi pelos protestos, segundo o Metrô (o que eu duvido muito).

Mais uma vez ficou provado que quem é rico tem mais voz que quem é “gente diferenciada”, mesmo sendo uma minoria.

Um vídeo bem curto exemplifica isso. Veja:

Quem tem dinheiro, tem tudo. Pelo menos pela lei.

The following two tabs change content below.

notnowlucas

São Paulo - SP
Formado em Informática e antenado no universo da tecnologia, gosto de escrever sobre tudo que me convier. Possuo um Nokia Lumia 730 e não gosto que caçoem de mim.